9 de maio de 2013

Caos na segurança: 18 presos fogem do Cadeião de Ponta Grossa

Fotos: Cascavel/Cop
As últimas informações do setor de segurança pública dão conta de que 18 presos fugiram nesta manhã por um buraco do minepresídio Hildebrando de Souza, mais conhecido como Cadeião do Santa Maria em Ponta Grossa. Um dos fugitivos teria sido baleado na fuga com ferimentos leves e dois elementos foram recapturados na Vila D.E.R. A Polícia ainda está na caça dos demais fugitivos (15 no total). 

Um dos fugitivos foi baleado, mas teve ferimentos leves













A fuga ocorreu um dia antes da visita de integrantes da Comissão de Diretos Humanos (CDH) da Assembleia Legislativa,que farão nest sexta-feira uma vistoria na presídio. A vistoria está marcada para as 10h, sendo conduzida pelo presidente da CDH, o deputado estadual Tadeu Veneri (PT).

REBELIÃO

No último dia 19 de abril, dois agentes carcerários foram mantidos reféns durante rebelião no minepresídio que durou quase 20 horas. Entre as negociações está a transferência de 40 presos para Curitiba. Participaram das negociações policiais, um juiz da vara de execuções penais, integrantes a OAB e os diretores do presídio. O presídio está superlotado com mais de 500 presos e a capacidade é para 200.

Como consequência da rebelião dos detentos do Hildebrando de Souza, três ônibus (dois da VCG e um particular) foram incendiados em Ponta Grossa, uma situação que colocou a população em polvorosa, principalmente pelo fato de ser inédita. Os incêndios ocorreram na madrugada de sábado, dia 20, data em que foi encerrada a rebelião, com a presença de policiais do COPE.


OAB cobra construção de Casa de Custódia

José Machado, presidente OAB-PG
Uma prática “desumana e cruel”. É desta maneira que um documento elaborado pela Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) - Subseção Ponta Grossa e encaminhado à redação do Jornal da Manhã classifica a superlotação carcerária, problema enfrentado no Presídio Hildebrando de Souza há mais de uma década. Atualmente, 535 presos estão alocados num local projetado para abrigar 208. O documento vai além e diz que “o “empilhamento humano” por parte do Poder Público em espaço insalubre, ínfimo de pouco ventilação e abafado pode propiciar surtos de escabiose [sarna]”.

Ex-chefe da 13ª SDP, Valéria Padovani, em visita ao Cadeião
Com isso, o órgão aponta para a necessidade da construção de uma Casa de Custódia no município. “Urge que se acelere o processo de construção do novo presídio por parte do governo do Estado, bem como reforma e ampliações nesta unidade”, diz o documento, assinado pelo advogado José Machado, presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB-Ponta Grossa. (Fonte: Jornal da Manhã - 24/03/2013).

Em 2011 houve uma interdição parcial do minepresídio e diversas vistorias foramrealizadas, mas até o momento nada de concreto. No ano passado, a CPI da Segurança Pública na Câmara alertou para o perigo que representa o não comprometimento do governo do Estado com a segurança pública em Ponta Grossa.